Mercado

ChemChina eleva oferta Syngente, diz jornal

Fonte: Valor Econômico – Agronegócios – Pág. B10 26/01/2016

Meses depois de fazer a sua primeira oferta à Syngenta, de US$ 42 bilhões, a China National Chemical (ChemChina) mostrou que não está disposta a perder a companhia suíça para a concorrência e elevou a proposta de compra, segundo o jornal “Financial Times”.

O novo valor não foi revelado, mas representaria a maior aquisição de um ativo estrangeiro pela estatal chinesa, afirmou o jornal. A renovação da proposta ocorre duas semanas após o conselho de administração da Syngenta dar aval à negociação com a ChemChina. Isso, em tese, abriria caminho para que um acordo formal fosse finalizado até o Ano Novo Chinês, no início de fevereiro.

Os primeiros sinais do interesse da ChemChina pela Syngenta surgiram em novembro, quando a chinesa propôs a compra da empresa suíça por US$ 42 bilhões. Mas o montante era inferior às duas ofertas feitas pela rival americana Monsanto – de US$ 45 bilhões e, depois, US$ 47 bilhões-, e acabou rejeitado pela Syngenta.

Líder global em sementes, a Monsanto tinha interesse em complementar seu portfólio de agroquímicos, ofuscado nos últimos anos pelo desempenho expressivo de suas variedades transgênicas.

A ChemChina é a sétima maior produtora de agroquímicos do mundo. Detém atualmente 5% do mercado (graças à aquisição  da israelense Adama, em 2011), ante 19% da Syngenta e 8% da Monsanto, segundo a Liberum Capital. A desvalorização de 25% do euro frente ao yuan, desde 2011, tem sido outro fator a motivas a estatal chinesa a avançar sobre ativos europeus.