Pesquisa

Com série no YouTube, ABCBio ajuda a disseminar o uso de Biodefensivos na agricultura Brasileira

Fonte: Mecânica de Comunicação 13/03/2018

Série é voltada para agricultores, consultores e técnicos interessados em aprofundar o conhecimento sobre o uso de defensivos biológicos

Facilitar o acesso e aprofundar o conhecimento sobre as novas tecnologias utilizadas no controle biológico de pragas e doenças que afetam a agricultura brasileira. Esse é o objetivo da série de vídeos disponibilizados pela ABC Bio – Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico em seu canal do YouTube. O projeto é uma parceria da entidade com a AgriLearning, empresa especializada na produção de conteúdo técnico na área agrícola para divulgação em plataforma online, incluindo mídias sociais. O mais recente episódio da série trata do tema Agentes Macrobiológicos de Controle: Prospecção, pesquisa e exemplo de aplicação prática.

O vídeo, que tem duração de cinco minutos e é bastante didático. Detalha, por exemplo, o processo por meio do qual uma pequena vespa, chamada trichogramma, um parasitoide, pode colocar seus ovos dentro dos ovos de diversas espécies de pragas e assim iniciar uma sequência que culmina com a eliminação total ou parcial do inseto. A ação de eliminação da praga começa com o nascimento da larva do trichogramma dentro do ovo do hospedeiro. Lá, ela se alimentará do conteúdo do ovo, evitando que ele dê origem a uma nova lagarta.

E os benefícios do processo não param nisso. Após a fase larval, o trichogramma se torna uma vespa adulta que, orientada pelo faro sai a procura de um novo ovo da praga para fazer novas posturas e reiniciar o processo. Elas voam pela lavoura num raio de 10 metros a partir do local onde emergiu. Como são pequenas e leves, as vespinhas também são levadas pelo vento, aumentando ainda mais a dispersão pela plantação. Durante sua curta existência – em clima tropical, a vespa dura, em média, sete dias – ela poderá depositar de 30 a 40 ovos.

No vídeo, o interessando em saber mais sobre o controle biológico de pragas poderá também entender que a quantia que cada fêmea do trichogramma poderá depositar dependerá do tamanho do ovo e da espécie de hospedeiro da praga. No caso da lagarta da soja, em geral, o trichogramma é capaz de depositar 2 ovos.

Além do trichogramma, o vídeo desenvolvido pela ABC Bio destaca que outra classe de agentes macrobiológicos de controle de pragas são os Nematóides, que são organismos com enorme potencial de controle de pragas subterrâneas, como é o caso de alguns insetos que atacam as raízes do canavial e são de difícil controle quando se pensa apenas em uso exclusivo de defensivos químicos. Para atender todo o potencial de demanda que os macrobiológicos possuem, as empresas associadas da ABC Bio têm investido muito no desenvolvimento de formulações que possam tornar viável a comercialização de diferentes agentes biológicos benéficos para o combate a pragas em diversas culturas.

EDUCAÇÃO NA WEB – O projeto de capacitação online é uma ideia antiga da ABC Bio e tem como propósito principal assegurar a disseminação do conhecimento para assistência técnica no campo, um dos pilares que compõe o tripé fundamental de estímulo ao uso de biodefensivos pelos produtores agrícolas brasileiros. Os outros componentes do tripé são: uma produção de qualidade dos agentes biológicos e uma logística eficiente que permita que o produto chegue em condições de ser aplicado nas lavouras.

Além de possibilitar melhor formação de técnicos e profissionais ligados ao agronegócio, a iniciativa da ABC Bio também possibilitará ganhos ao processo produtivo como um todo, fazendo com que toda a sociedade saia ganhando, uma vez que o engenheiro agrônomo e os produtores rurais poderão usufruir das diversas vantagens das modernas tecnologias dos biodefensivos embutidas no Manejo Integrado de Pragas (MIP). Além disso, há um inequívoco ganho ambiental e econômico, com o consequente uso correto dos produtos fitossanitários. Os episódios podem ser acompanhados no canal do YouTube e também nos links mantidos no site da ABC Bio (www.abcbio.org.br).